5 de agosto de 2014

Você sabia? Fado portugues

Começa uma série nova no blog!

Muitas vezes viajamos e não sabemos e não temos a certeza  da origem de músicas, religiões ou outros assuntos. E temos que ter cuidado ao repassar informações incorretas sobre estes assuntos.

Ouvi esses dias que o Fado portugues, teria origem nos cantos árabes.

Fui fazer uma pesquisa e em nenhum local, inclusive no site oficial do Museu do Fado há qualquer relato sobre esta informação, sendo a mesma falsa.

O Fado, em novembro de 2011, foi eleito como Patrimonio Oral e Imaterial da Humanidade pela Unesco.

"Uma explicação popular para a origem do fado de Lisboa remete para os cânticos dos Mouros, que permaneceram no bairro da Mouraria, na cidade de Lisboa após a reconquista Cristã. A dolência e a melancolia, tão comuns no Fado, teriam sido herdadas daqueles cantos. No entanto, tal explicação é ingénua de uma perspectiva etnomusicológica. Não existem registos do fado até ao início do século XIX, nem era conhecido no Algarve, último reduto dos árabes em Portugal, nem na Andaluzia onde os árabes permaneceram até aos finais do século XV."  (Wikipedia

O bairro da Mouraria em Lisboa foi uma zona da cidade para os mulçumanos. Depois do Cerco de Lisboa, que durou de 1 de julho a 21 de outubro de 1147, integrou a Reconquista cristã da península Ibérica. 

"O fadista canta o sofrimento, a saudade de tempos passados, a saudade de um amor perdido, a tragédia, a desgraça, a sina e o destino, a dor, amor e ciúme, a noite, as sombras, os amores, a cidade, as misérias da vida, critica a sociedade… Em contraste com o conteúdo melancólico, o compasso do fado transmite um humor animador e possivelmente este contraste contribui à fascinação do fado."  (Wikipedia)

No site Visitar Liboa, encontrei:

"A versão popular da história do Fado diz que este era ouvido há muitos anos, pelos Mouros que ocupavam a Mouraria em Lisboa depois dos Cristãos reconquistarem Lisboa. No entanto, o primeiro registo de Fado só existe no princípio do século XIX. Foi só durante a ditadura de Salazar (1926 - 1968) que o Fado se tornou numa profissão, quando Salazar decidiu limitar os fadistas às casas de Fado ou às “revistas”. Mais tarde, Salazar enviou os fadistas pelo mundo para promover o sentimento nacional e uma das mais conhecidas fadistas desta época foi Amália Rodrigues que representou o país e o nacionalismo Português pelo globo.

Com a queda da ditadura em 1974, o fado era o símbolo de um Portugal triste, preso ao passado num mundo que se tinha uma constante evolução e desenvolvimento. Um grande grupo chamado Madredeus surgiu, no final do século XX, com a voz soprano da vocalista acompanhada por belas guitarras acústicas e um acordeão. Mariza apareceu mais tarde e é, provavelmente, a cantora mais importante depois de Amália Rodrigues, reconhecida pelo seu talento, a sua voz, o seu sentimento, e o seu estilo vanguardista." (aqui você encontra o texto completo e mais informações sobre o Fado).

O Fado do Marinheiro

Perdido lá no mar alto
Um Pobre navio andava,;
Já sem bolacha e sem rumo
A fome a todos matava.

Deitaram a todos as sortes
A ver qual d'eles havia
Ser pelos outros matado
p'ró jantar daquele dia

Caiu a sorte maldita
No melhor moço que havia;
Ai como o triste chorava
Rezando à Virgem Maria.

Mas de repente o gageiro,
Vendo terra pela prôa,
Grita alegre pela gávea:
Terras, terras de Lisboa

Tem alguma dúvida, informação, sugestão ou reclamação? Escreva na caixa de comentários ou passe um email

Fonte: O Fado, Wikipedia, Wikipedia (Mouraria), Museu do Fado e Visitar Lisboa.  



Postar um comentário

Start typing and press Enter to search