22 de set de 2011

Dubai - Emirados Árabes Unidos

Dubai (em árabe: دبيّ, Dubayy) é um dos sete emirados e a cidade mais populosa dos Emirados Árabes Unidos (EAU) com aproximadamente 2.262.000 habitantes. Está localizado ao longo da costa sul do Golfo Pérsico na Península Arábica na Ásia.

Existem registros da existência da cidade pelo menos 150 anos antes da formação dos Emirados Arabes Unidos. Dubai divide funções jurídicas, políticas, militares e econômicas com os outros emirados, embora cada emirado tenha jurisdição sobre algumas funções, tais como a aplicação da lei civil e fornecimento e manutenção de instalações locais. Dubai tem a maior população e é o segundo maior emirado por área, depois de Abu Dhabi. Dubai e Abu Dhabi são os únicos emirados que possuem poder de veto sobre questões de importância nacional na legislatura do país. Dubai tem sido governado pela dinastia Al Maktoum desde 1833. O atual governante de Dubai, Mohammed bin Rashid Al Maktoum, é também o Primeiro-Ministro e Vice Presidente dos Emirados Árabes Unidos.

A receita do emirado é proveniente do turismo, comércio, setor imobiliário e serviços financeiros. As receitas de petróleo e gás natural contribuem com menos de 6% (2006)do PIB de US$ 37 bilhões da economia de Dubai (2005). O setor imobiliário e da construção, por outro lado, contribuiu com 22,6% da economia em 2005, antes do atual boom da construção em larga escala. Dubai tem atraído atenção através dos seus projetos imobiliários e acontecimentos esportivos. Esta maior atenção, coincidindo com o seu aparecimento como um concentrador de negócios mundial, pôs em destaque questões dos direitos humanos relativas à sua mão-de-obra em grande parte externa.

Muito pouco se sabe sobre a cultura pré-islâmica no sudeste da Península Arábica, se sabe apenas que muitas das cidades antigas na área eram centros de comércio entre os mundos Oriental e Ocidental. Os restos de um antigo manguezal, datados em 7.000 anos, foram descobertas durante a construção de linhas de esgoto perto de Dubai Internet City. A área foi coberta com areia cerca de 5.000 anos atrás, como o litoral recuou para o interior, tornando-se uma parte da costa atual da cidade. Antes do Islã, o povo desta região adoravam Bajir (ou Bajar). Os impérios Bizantino e Sassânida constituídas as grandes potências da época, com o Sassânidos controlando grande parte da região. Após a expansão do islamismo na região, o Califa Omíada, do mundo oriental islâmico, invadiu o sudeste da Arábia e expulsou os Sassânidos. As escavações realizadas pelo Museu de Dubai, na região de Al-Jumayra (Jumeirah) indicam a existência de diversos artefatos a partir do período omíada. A mais antiga menção de Dubai é de 1095, no "Livro de Geografia" pelo geógrafo árabe-Al-Andalus Abu Abdullah al-Bakri. O mercador veneziano de pérolas Gaspero Balbi visitou a área em 1580 e mencionou Dubai (Dibei) para a sua indústria de pérolas. Registros documentais da cidade de Dubai só existem depois de 1799.

No início do século XIX, o clã Al Abu Falasa (Casa da Al-Falasi) do clã Bani Yas estabeleceram-se em Dubai, que ficou a cargo de Abu Dhabi até 1833. Em 8 de Janeiro de 1820, o xeque de Dubai e outros xeques na região assinaram o "Tratado de Paz Geral Marítima", com o governo britânico. No entanto, em 1833, a dinastia Al Maktoum (também descendentes da Casa de Al-Falasi) da tribo Bani Yas deixou tirou o controle de Abu Dhabi e assumiu Dubai do clã Abu Fasala sem resistência. Dubai ficou sob a protecção do Reino Unido, o "Acordo Exclusivo" de 1892, com o último acordo para proteger Dubai contra qualquer ataque vindo do Império Otomano. Duas catástrofes atingiram a cidade durante os anos 1800. Primeiro, em 1841, uma epidemia de varíola irromperam na localidade de Bur Dubai, obrigando a população a deslocar para leste de Deira. Então, em 1894, um grande incêndio em Deira queimou a maioria das casas. No entanto, a localização geográfica da cidade continuou a atrair comerciantes e mercadores de toda a região. O emirado de Dubai, estava ansioso para atrair os comerciantes estrangeiros e reduziu o comércio entre parênteses fiscais, o que atraiu comerciantes de Sharjah e Lengeh Bandar, que eram os principais centros comerciais da região na época.

A proximidade geográfica de Dubai com a Índia tornou a cidade um local importante. A cidade de Dubai foi um importante porto de escala para os comerciantes estrangeiros, principalmente os vindos da Índia, muitos dos quais acabaram por se instalar na cidade. Dubai era conhecida por suas exportações de pérolas até os anos 1930. No entanto, a indústria de pérolas de Dubai foi irremediavelmente danificada pelos acontecimentos da Primeira Guerra Mundial e, posteriormente, pela Grande Depressão na década de 1920. Consequentemente, a cidade assistiu a uma migração em massa de pessoas para outras partes do Golfo Pérsico. Desde a sua criação, Dubai eentrava constantemente em desacordo com Abu Dhabi. Em 1947, uma disputa de fronteira entre Dubai e Abu Dhabi, no setor norte de sua fronteira comum, gerou uma guerra entre os dois estados. A arbitragem feita pelos ingleses e a criação de uma fronteira do leste ao sul da costa de Ras hasian resultou em uma cessação temporária das hostilidades.

No entanto, as disputas fronteiriças entre os emirados continuaram mesmo após a formação dos Emirados Árabes Unidos, foi somente em 1979 que um compromisso formal foi alcançado, o que terminou com as hostilidades e com as disputas fronteiriças entre os dois estados. Eletricidade, serviços de telefone e um aeroporto foram criados em Dubai em 1950, quando os ingleses moveram seus escritórios administrativos locais de Sharjah para Dubai. Em 1966, a cidade se juntou ao país recém-independente do Catar para criar uma nova unidade monetária, o Riyal qatarí, após a desvalorização da Rupia do Golfo Pérsico. No mesmo ano, foi descoberto petróleo em Dubai, após o qual a cidade de concessões para companhias internacionais de petróleo. A descoberta do petróleo levou a um afluxo maciço de trabalhadores estrangeiros, sobretudo indianos e paquistaneses. Como resultado, a população da cidade entre 1968 e 1975 cresceu mais de 300%, segundo algumas estimativas.

Em 2 de dezembro de 1971 Dubai, juntamente com Abu Dhabi e outros cinco emirados, formaram os Emirados Árabes Unidos após o ex-protetorado-britânico saiu do Golfo Pérsico em 1971. Em 1973, Dubai se juntou a outros emirados para adotar uma moeda única: os Dirham dos Emirados. Na década de 1970, Dubai continuou a crescer a partir de receitas geradas com o petróleo e com o comércio, nesse período a cidade viu um grande afluxo de imigrantes libaneses que fugiam da Guerra Civil Libanesa. O porto de Jebel Ali (supostamente o maior porto do mundo construído pelo homem) foi estabelecido em 1979. Jafza (Zona Franca de Jebel Ali) foi construída em torno do porto em 1985 para proporcionar às empresas estrangeiras de importação irrestrita de trabalho e capital de exportação.

A Guerra do Golfo Pérsico, de 1990, teve um enorme impacto sobre a cidade. Economicamente, os bancos de Dubai experimentaram uma retirada maciça de fundos devido à incerteza das condições políticas na região. Durante o decorrer da década de 1990, no entanto, muitas comunidades de comércio exterior - primeiro do Kuwait, durante a Guerra do Golfo Pérsico e, posteriormente, do Bahrein, durante o levante xiita, mudaram seus negócios para Dubai. Dubai foi uma base de reabastecimento para as forças aliadas na Zona Franca de Jebel Ali, durante a Guerra do Golfo Pérsico e, novamente, durante a Invasão do Iraque em 2003. Os grandes aumentos no preço do petróleo após a Guerra do Golfo Pérsico incentivou Dubai a continuar a centrar-se no livre comércio e no turismo. O sucesso da Zona Franca de Jebel Ali permitiu que a cidade pudesse replicar seu modelo de desenvolvimento para novas zonas francas, incluindo Dubai Internet City, Dubai Media City e Dubai Maritime City. A construção do Burj Al Arab, o hotel autônomo mais alto do mundo, bem como a criação de novos empreendimentos residenciais, foram usados pelo mercado de Dubai, para fins turísticos. Desde 2002, a cidade tem visto um grande aumento do investimento imobiliário privado na recriação skyline de Dubai, com projetos como o Palm Islands, The World, o Burj Dubai e o The Dynamic Tower. No entanto, o crescimento econômico robusto nos últimos anos tem sido acompanhado por aumento das taxas de inflação (de 11,2% em 2007, quando medido contra o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que é atribuído, em parte devido à quase duplicação do consumo comercial e residencial de renda, resultando em uma substancial aumento do custo de vida para os residentes da cidade.

Dubai está situada na costa do Golfo Pérsico, nos Emirados Árabes Unidos e esta praticamente ao nível do mar (16 metros acima). O emirado de Dubai divide suas fronteiras com Abu Dhabi, no sul, Sharjah, no nordeste e com o Sultanato de Omã no sudeste. Hatta, um enclave menor do emirado, é cercado em três lados por Omã e pelos Emirados de Ajman (no oeste) e Ras Al Khaimah (no norte). As fronteiras do Golfo Pérsico a costa ocidental do emirado. Dubai está posicionada a 25° 26′ N 55° 30′ ocupa uma área de 4.114 quilômetros quadrados.

Dubai não tem nenhum rio ou oásis natural, no entanto, possui um estuário natural, a Enseada de Dubai, que foi dragada para torná-la suficientemente profunda para que navios de grande porte possam atravessá-la. Um vasto mar de dunas de areia cobre grande parte do sul de Dubai e, eventualmente, leva para o deserto, conhecido como Rub' al-Khali. Sísmicamente, Dubai está situada numa zona muito estável - a falha sísmica mais próxima, a Falha Zargos, está a 120 km dos EAU e é improvável que tenha qualquer impacto sísmico em Dubai. [35] Os especialistas também prevêem que a possibilidade de um tsunami na região também é mínima, porque as águas do Golfo Pérsico não são profundas o suficiente para desencadear um tsunami.

De acordo com o censo realizado pelo Centro de Estatísticas de Dubai, a população do emirado era de 1.422.000 de habitantes em 2006, sendo 1.073.000 homens e 349.000 mulheres.

A região abrange 1.287,4 km². A densidade populacional é 408.18/km² mais de oito vezes maior do que todo o país. Dubai é a segunda cidade mais cara da região, e 20ª cidade mais cara do mundo.

Aproximadamente 85% da população de expatriados (e 71% da população total do emirado) eram asiáticos, principalmente indianos (51%), paquistaneses (15%), bangladeshiano (10%) e outros (10%).[37] Um quarto da população no entanto tem vestígios em suas origens de ancestrais iranianos. (dados de 1998)

Embora o árabe seja a língua oficial de Dubai, o urdu, o persa, o hindi, o malaiala, o bengali, o tamil, o tagalo, o chinês e outros idiomas são também falados em Dubai. O inglês é a língua franca da cidade e é muito falada pelos moradores.

Dubai tem também grandes grupos de cristãos, hindus, sikhs, budistas e outras comunidades religiosas que residem na cidade. Grupos não-muçulmanos podem possuir suas próprias casas de culto, onde eles podem praticar sua religião livremente, solicitando uma concessão de terras e permissão para construir um templo. Os grupos que não têm os seus próprios edifícios devem utilizar as instalações de outras organizações religiosas ou de culto em casas particulares. Grupos não-muçulmanos estão autorizados a anunciar abertamente funções de grupo, no entanto, proselitismo ou distribuição de literatura religiosa é estritamente proibida, sob pena do procedimento penal, prisão e deportação para se engajar em conduta ofensiva ao Islã.

Dubai tem 31 cidades irmãs entre elas estão Paris, Frankfurt, Kish e Tehram (Irã), Barcelona, Trípoli (Líbia), Detroit (EUA), Damasco (Síria), Istambul (Turquia) entre outras.

A aqruitetura de Dubai é caracterizada por obras grandiosas e apelo turistico. Destacam-se: a Palm Islands, o arquipelago The World (que não está concluído), o Burj Al Arab e o Burj Kalifa.

Onde ficar?


Arabian Courtyard Hotel & Spa
Al Fahidi Street, 351-9111, arabiancourtyard.com; diárias de US$ 150 a
US$ 409; Cc: A, D, M, V
Fica em frente ao Museu de Dubai, a cinco minutos a pé do Bastaquia.

Arabian Park Hotel
Al Jadaf Street, 324-5999, arabianparkhotel.com; diárias de US$ 246 a US$ 338; Cc: A, D, M, V
Além de piscina, academia e internet, tem praia privativa e campo de golfe.

Burj Al Arab
Beach Road, Jumeirah, 301-7777, jumeirah.com; diárias de US$ 1 526 a US$ 5 558; Cc: A, D, M, V
Virou o cartão-postal de Dubai. O acesso a um dos três restaurantes é livre a não-hóspedes.

Four Points by Sheraton
Khalid Bin Al Waleed Road, Bur Dubai, 397-7444, fourpoints.com; diárias de US$ 177 a US$ 266; Cc: A, D, M, V
Não tão luxuoso, fica no principal distrito de Dubai para negócios e compras.

Grand Hyatt
Qataiyat Road, 317-1234, dubai.grand.hyatt.com; diárias de US$ 409 a US$ 817; Cc: A, D, M, V
Tem spa, academia, piscinas e campo de golfe, mais um bar especializado em vinhos.

Jumeirah Beach Hotel
Beach Road, 344-5333, jumeirahinternational.com; diárias de US$ 752 a US$ 3 038; Cc: A, D, M, V
Na Praia de Jumeirah, com quartos voltados para o mar.

Mina A'Salam
366-8888, jumeirahinternational.com; diárias de US$ 328, sem café, a US$ 1011; Cc: A, D, M, V
Está no complexo Madinat Jumeirah, do qual faz parte o shopping mais agradável, o Souk Madinat.

One&Only Royal Mirage
Al Sufouh Road, 399-9999, oneandonlyresorts.com; diárias de US$ 327 a US$ 6 900; Cc: A, D, M, V
O luxuoso conglomerado de três hotéis – o Palace, o Arabian Court e o Residence & Spa – fica à beira da praia. E tem boa programação noturna.


Al Mallah
Al Dhiyafah Street, Satwa, 398-4723; 2a/5a e sáb/dom 18h/14h, 6a 12h/14h
Um dos mais antigos de Dubai, fica aberto até as 4h da madrugada. Não aceita cartão, mas o preço médio não é alto - menos de US$ 15 - e os sanduíches de falafel são uma delícia.

Al Nafoorah
Emirates Towers Shopping Boulevard, Sheik Zayed Road, 330-0000; 12h/15h e 19h30/24h; Cc: A, D, M, V
Um dos melhores restaurantes libaneses do emirado, com doces árabes de qualidade.

Basta Art Café
Al Fahidi Street, Bastaquia, 353-5071, alraisenterprises.com/basta.htm; 10h/19h
Tem mesas ao ar livre. O menu inclui lanches leves feitos com produtos e carnes da culinária árabe, como a de carneiro. Não aceita cartões.

Café Chic
Le Meridien Dubai, Airport Road, 282-4040; 12h30/14h45 e 20h/23h45; Cc: A, D, M, V
Seu cardápio foi desenvolvido pelo chef Michel Rostang, dono de duas estrelas no Guia Michelin.

Hatam
BurJuman Centre, Trade Centre Road, 352-2655, burjuman.com; Cc: D, M, V
A unidade da rede de restaurantes de comida iraniana é ótima para quem quer provar novos sabores no meio de uma praça de alimentação cheia de ofertas ocidentais.

India House
Al Fahidi Street, Bur Dubai, 352-6006; 2a/5a e sáb/dom 7h/24h30, 6a 7h/11h30 e 13h30/24h30
Bom indiano perto do museu, do Bastaquia, do Arabian Courtyard e da feira de eletrônicos. E barato.

KanZamanHeritage Village, 393-9913; 17h/3h; Cc: A, M, V
Fica dentro de um heritage, vila dedicada à
preservação da cultura local. É perfeito para entrar em contato com a cultura dos nativos, provar a shisha, conhecida como narguilé por aqui. Mas não é recomendado para mulheres sozinhas.

Shakespeare and Co.
Sheik Zayed Road, 331-1757; 7h/1h; Cc: A, D, M, V
Tem decoração que lembra uma sala de estar do século 19, com pássaros em gaiolas do lado de fora.

XVA CaféBastaquia, 353-5383; 5a/sáb 9h/20h; Cc: A, M, V
Fica no meio do Bastaquia, o bairro velho da cidade. Tem galeria de arte (a XVA Gallery) e loja de artesanato.


Abu Dhabi
A capital e o maior emirado do país também era deserta há cerca de 30 anos. É responsável por 10% do suprimento petroleiro mundial. Também investe na importação de cultura. Tem filiais do Louvre e do Guggenheim e das universidades de Sorbonne e Yale.

Al Fahidi Street
Nesta rua, foi levantada a construção mais antiga do emirado, um forte, agora transformado no Museu de Dubai. Hoje tem hotéis, souks e shoppings. Nas lojas ao ar livre, conseguem-se preços muitas vezes melhores que nos shoppings.

Al Muntaha
Burj Al Arab Hotel, Beach Road, Jumeirah, 301-7777, jumeirah.com; 2a/dom
12h30/15h e 19h/24h; Cc: A, D, M, V
É o bar do restaurante panorâmico do Burj Al Arab. Tem música ao vivo.

Bar Zar
Souk Madinat Jumeirah, 366-6348; 17h/2h, feriados 12h/2h; Cc: A, D, M, V
É um dos que ficam na parte externa do shopping Souk Madinat Jumeirah. Tem clima agradável e mesas voltadas para o mar. Com drinques baratos, o andar superior é mais calmo. No inferior, sempre tem uma TV ligada no canal de esportes.

Bastaquia
Entre a Al Fahidi Street e a margem sul do Creek
É o bairro antigo de Dubai, que foi reformado e hoje abriga cafés, restaurantes e galerias de arte. As torres com aberturas na porção mais alta são os sistemas de resfriamento das casas usadas pelos beduínos.

Buddha Bar
Grosvenor House, West Marina Beach, Sheik Zayed Road, 399-8888; 20h/2h; Cc: A, M, V
Bar da grife Buddha Bar (que tem filial em São Paulo). Com um ótimo visual e boa comida asiática.

BurJuman
BurJuman Centre, Trade Centre Road, 352-2655, burjuman.com; 2a/5a e sáb/dom 10h/22h, 6a, 16h/22h
Shopping luxuoso em Bur Dubai, ficou quatro vezes maior. Tem grifes clássicas, como Donna Karan, Tiffany’s, Louis Vuitton e Christian Lacroix.

Creek
É o braço de mar que invade o continente e divide a cidade. Há passeios de barco.

Dubai Museum
Al Fahidi Street, 393-7151; 2a/5a e sáb/dom 8h30/20h30, 6a 14h30/20h30
Instalações com manequins e vídeos contam a história dos beduínos e pescadores que fundaram a região. Aqui você acessa o post do blog.

Esqui
Mall of the Emirates, Sheik Zayed Road, Interchange 4, 409-9000, 2a/4a e dom 10h/23h, 5a/6a 10h/24h
A pista de esqui fica dentro do shopping, que abriga também um resort. Aqui você acessa o post do blog.

Freeshop de Dubai
dubaidutyfree.com
É grande, mas muito cheio. Parece um shopping, e sua área está sendo expandida de 7 mil para 15 mil metros quadrados. Se a ideia Jumeirah Beach Hotel: na praia mais popular de Dubai Arabian Park Hotel: equipado com internet e academia for fazer compras ali, chegue cedo. Alguns portões de embarque são tão distantes das lojas e os caixas têm filas tão longas que você corre o risco de perder o voo.

Heritage and Diving Village
Al Shindagha, 393-7151, dubaitourism.co.ae
É o lugar que os nativos dedicaram à preservação da cultura local. Tem museus, restaurantes típicos e sedia eventos de arte
e dança.

Ibn Battuta Mall
Interchange 6, Sheik Zayed Road, 882-1414; 2a/5a e sáb/dom 10h/21h, 6a 17h/21h
Em homenagem ao viajante considerado “o Marco Polo dos árabes” e que deu nome ao lugar, o shopping é dividido em alas decoradas com motivos dos locais por onde Ibn Battuta passou, como a China e a Índia.

Jumeirah Beach
acesso pela Al Jumeirah Road
É a mais popular das praias de Dubai, onde fi cam os hotéis Burj Al Arab e Jumeirah Beach Resort, além do shopping Souk Madinat Jumeirah.

Mall of the Emirates
Sheik Zayed Road, Interchange 4, 409-9000; 10h/22h
É um dos maiores shopping centers da região. Grandes empresas, como o Carrefour, estão presentes. O destaque é a pista de esqui indoor, dentro do shopping.

Mesquita Jumeirah
Beach Road, 353-6666; visitas 5a e dom 10h
É a única do emirado aberta a visitação e que pode ser fotografada.

Passeio de balão
390-3505
Com duração aproximada de uma hora, passa sobre as dunas vermelhas dos desertos que rodeiam a região. Pode render ótimas fotos. Com a Zodiac Balloons ou a Amigos Balloons (289-9295).

Safári no deserto
303-4888, arabianadventures.com
Com um off-road de luxo, começa pela montanha-russa de dunas e só pára ao pôr-do-sol. Depois, hora de andar de camelo e dormir em tradicionais tendas beduínas. Com a Arabian Adventures ou a Alpha Tours (294-9888). Aqui você acessa o post do blog.

Sharja
É um emirado vizinho de Dubai, onde há poucos imigrantes e, por isso, é mais fácil entrar em contato com a cultura local.

Souk de especiarias
Entre Nasr Square e o Creek, 2a/5a e sáb/dom 9h/13h e 16h/22h, 6a 16h/22h
É vizinho do souk do ouro. Não é necessariamente mais barato que supermercados e shoppings, mas possui uma atmosfera mais próxima à verdadeira tradição do emirado. Muitos peixes e frutas podem ser encontrados em um souk vizinho, o de alimentos. Aqui você acessa o post do blog.

Souk do ouro
Sikkat Al Kalil Street, dubaigoldsouk.com; 2a/5a e sáb/dom 9h/13h e 16h/22h, 6a 16h/22h
A “Cidade do Ouro” de Dubai abriga mais de 300 joalheiros. Brilhantes, esmeraldas, safiras e outros tipos de joia podem ser encontrados em meio ao tradicional ouro – bem mais barato que em grande parte do mundo, em 18, 21 ou 22 quilates. Seguindo a tradição, é preciso negociar cada peça comprada. Melhor levar dirhams, pois alguns lugares não aceitam cartão. Aqui você acessa o post do blog.

Souk Madinat Jumeirah
Al Sufouh Road, 366-6546, madinatjumeirah.com; 10h/23h
Embora tenha nome de mercado, é o shopping mais agradável de Dubai. Fica na Praia de Jumeirah, tem corredores abertos, bancas de artesanato ao ar livre e bares que ficam lotados no fim de tarde e à noite. Aqui você acessa o post do blog.

Souks de Sharjah Sharjah
Possui souks velhos e novos, ambos conceituados. Os antigos são organizados e limpos, com lojas que vendem tapetes e pashminas feitos de seda, entre outros artesanatos do Oriente, como narguilés. Tem bons preços.

Trilogy
Souk Madinat Jumeirah, Beach Road, 366-8888; 21h/3h; Cc: A, M, V
Balada eletrônica em três andares frequentada por turistas.


Minhas dicas:
- Não deixe de conhecer (e se der) jantar no Souk Madinat Jumeirah. Tem várias opções de restaurantes. Aqui você vê o post sobre o mercado e o restaurante que fui jantar.

- Evite ficar no Rotana Dubai (além do atendimento não muito bom, não é bem localizado: colocaram minha prima e eu em um quarto sem camas duplas, colocaram uma cama horrível para ela, ligaram para nosso quarto as 01:00 - em plena madrugada para avisar que um quarto estava a nossa disposição e que poderiamos trocar a esta hora de quarto. Pela manhã fomos falar na recepção e adivinha se tinha o quarto disponivel? Até que no outro dia nos trocaram de quarto: queriam primeiro nos colocar em um andar de fumantes com o cheiro básico de cigarros, não aceitamos e até que nos colocaram em um quarto que tinha uma mini cozinha - o primeiro quarto estava melhor! Além do mais, EXIGIRAM de uma maneira grosseira de todo o grupo que todos teriamos que deixar os passaportes junto com a gerência. Não sei até que ponto isto é necessário em Dubai, visto que não achei nada referente a isto para colocar por aqui).

- Eu fui jantar no Burj Al Arab. E não recomendo. Veja aqui o porque.

- Viajei de Qatar. Adorei a companhia, serviço de bordo muito bom, classe excutiva excelente. Ganhou da Air France! Aqui você vê como foi meu vôo.

Para mais informações acesse os sites oficiais de Dubai, aqui e aqui.


Aconselho uma visita ao blog Viggio Mondo da Fê que mora em Dubai. Tem ótimas dicas! E também dê uma passadinha no Mikix no Mundo que tem dicas maravilhosas, não só de Dubai, mas de outros destinos (assim como a Fê)!

Fonte: Viaje aqui e Wikipedia.
P.s.: Os valores são do site Viaje aqui (link acima), consultados em setembro de 2011 e podem sofrer alterações a qualquer momento!





































































































































































































Atrás destes muros, uma das residencias do Sheik de Dubai!








































4 comentários:

Marco

Depois de ler este post de certeza que se algum dia viajar para o Dubai informação não me vai faltar. É realmente um destino que eu gostaria de visitar no futuro pois é um local onde existe um grande contraste entre a natureza e o betão que preenche os enormes arranha céus. É sem dúvida um local que foi feito a pensar no turismo, e ainda mais, em turismo para gente rica...

Muito bem estruturado e com boa informação este blog. Parabéns e contunua com o excelente trabalho.

Flats em São Paulo

Nossa, é um lugar que ainda quero conhecer!

lucas

VIAJEI COM MEU FILHO NECESSITEI DO SEGURO VIAGEM. E FUI MUITO BEM ATENDIDO SEM PRECISA PAGAR NADA EM DINHEIRO TIVE TODA COBERTURA DA ASSISTÊNCIA VIAGEM RECOMENDO PARA QUEM FOR VIAJAR COMPRAR NA HTTP://WWW.SEGUROVIAGEM.COM

DAVID

veja no http://www.econoparkaeroporto.com.br/seguro-viagem-online.html vc ganha ate 3 diarias gratuitas no Econopark.

Deixe seu comentário: