13 de dez de 2009

Experiências

Por experiencia própria, se tiveres condições financeiras, vá de classe Executiva e se tiver mais condições financeira ainda vá de primeira Classe. É um conforto a mais, o atendimento quase sempre é melhor (também pudera). Você pode consultar sobre milhagens e Upgrate. Mas tive informações que se voce estiver de pacote, a passagem fica por sua conta, no pacote fica só a parte terreste. Confirme com seu agente de viagens. Mas não se sacrifique para isto, faça somente se for possivel. As salas vips são melhores estruturadas, o atendimento no check in é mais rápido e assim por diante.

Outra coisa, o medo de avião. Eu ainda bem não tenho esse sofrimento (consigo dormir em um vôo Porto Alegre-São Paulo), até porque pesquisas dizem que o risco de morre em aviões é 29 vezes menor que viajando de carro, 10 vezes menos que trabalhando, 8 vezes menos que andando a pé. É muito mais fácil ter um acidente rodoviario (266 vezes maior), do que um desastre áereo. Não concordo que a melhor sugestão é automedicação ou bebidas alcoolicas. Isso é super pessoal, não adianta ficar dizendo várias teorias que muitas vezes não adianta. Eu fui e voltei de Paris pela Air France, sinceramente, não senti pânico algum. Senti turbulências na volta, mas dormi praticamente o vôo inteiro. Acho que se tiver que acontecer algo comigo ou com você, não importa onde estejamos.

Outra coisa, tente não beber (principalmente em classe executiva e primeira que a bebida é liberada) demais no avião. Lembre-se que você não está sozinho no avião, você está a sei la quantos mil pés do chão, tem a pressurição e mais um monte de coisas. Mesmo que voce costume beber bastante.. Já vi gente passando mal com pouca bebida...

Não leve guias - aqueles que você compra em livaraias, muito pesados na mala. Faça anotaçoes em um bloco de bolso ou compre um(ns) guia(s) do(s) lugar(es) que você visitará, tem vários em português e atualizados. Muito peso na mala irá encomodar ainda mais se for a mais de um país.

Em setembro deste ano (2009) fui para alguns países e cidades da Europa e uma cidade do roteiro era Roma. Estava de excursão e com minha mãe. Em um dos dias de Roma, uma senhora pede ao guia um táxi para encontrar uma amiga. O guia pergunta se ela sabe onde encontrar a amiga e ela responde com toda certeza que sim. Então foi-se ela ao encontro da amiga. Mas um problema, ela não sabia o nome do hotel - ficamos na rede NH. Ela foi parar no Consulado de Roma, tiveram que ligar para a filha dela no Brasil, entraram em contato com o guia e ela pegou um táxi até o hotel. Por isso, a minha dica é, ande com o nome do hotel e consulados, sendo em excursão ou sozinho - essa senhora estava sozinha e na excursão. Então, ande com todos telefones anotados - hotel, consulados, companhia aéreas, do(s) guia(s)...

Tem muita gente que fica na dúvida entre ir ou não nos pontos turisticos. Alguns falam em obrigação. Eu acho que deve-se conhecer primeiramente o basicão. Ir a Paris ir ao Louvre, Torre Eiffel, New York ir a Estátua da liberdade ou enfrentar aquela fila enorrrme para entrar na Capela Cistina - é o um dos lugares que mais acho que vale a pena enfrentar uma fila, ver uma das obras de Michelangelo (você sabia que ele ficou praticamente cego pintando o teto, devido as tintas que caiam em seus olhos?)e assim por diante. Sei de pessoas que vão a Nova Iorque há anos e NUNCA foram a estátua da liberdade e fizeram programas tipicamente nova iorquinos, fico me perguntado, o que realmente conhecem de Nova Iorque. Mas o mais importante também é fazer o que gosta. Se o programa preferido é museus, vá a museus, se é teatros vá a teatros. Mas não espere não encontrar filas. Lembre-se que é você e mais meio mundo viajando. Se odeia filas, descubra lugares que ninguém vá. Ah, e me avise destes lugares.

Lembre-se que voce está indo para paises com costumes totalmente diferente do seu. Não adianta nada você pedir (em ingles) para um francês te explicar sobre vinhos (ou qualquer outro assunto) em francês, quando voce mal soube pedir este assunto a ele e não compreende nada, mas nada de francês. Voce será o verdadeiro mala e chato!

Uma coisa que nunca fiz, foi viajar totalmente sozinha. Mas creio que as coisas se tornam mais caras. Até porque em hotéis o valor é para dois, em alguns restaurantes (que eu fui e vi), eles dizem que determinados pratos são no minimo dois, muitas vezes quer conversar com alguém e não tem o alguém. Mas tem outro lado: você faz sua rotina!

Uma coisa é as companhias. Veja com quem você está indo viajar. Acho que as pessoas tem que se "fecharem". Não adianta muito você sair com alguém que ame baladas e voce nao, que odeie museus e voce ame, e assim por diante. Não creio que os opostos se atraem. Vem um grande desentedimento em uma viagem que poderia ser muito legal e custou dinheiro.

Só se hospede em casas de quem você realmente conhece e se sentir-se muito bem para isto. Ja tive uma experiencia pessima quanto a isto - fui para a casa de uma pessoa que tinha condições financeiras - mentais entre outras - piores que a minhas. Foi horrivel. Tive que pagar várias coisas para a pessoa, não ouvi um obrigada, quase fui expulsa da casa da pessoa, e ainda somente me largaram no aeroporto mal esperou eu fazer o chek-in. Tambem fiquei sabendo de uma história parecida com essa. E as duas histórias aconteceram fora do pais. so que eu entrei numa fira: mal conhecia a pessoa, então me dei mal. Muitas vezes, prefira um hotel proximo a casa da pessoa.

Isso é outra coisa, o descansar. Acho que voce deve aproveitar o máximo o lugar que voce está e deixar para descansar em casa mesmo até porque voce nao sabe quando e se ira voltar aquele lugar. Mas respeite seu corpo e seus limites. Procure por hotéis bem localizados, perto de estações de metro por exemplo ou que seja o mais central possivel - consulte seu agente de viagens.

Outra coisa são os metros. Até hoje o mais complicado e chato que andei foi o de Nova Iorque. Depois que li que até o Ricardo Freire (ele viaja muittto e escreve sobre viagens) disse que achou isto tambem fiquei bem mais tranquila! Ja os metros na europa, achei bem mais simples! Tente estuda-los bem antes de viajar. Tem sites na internet para isto. Tente sair as 18 horas da galeria Layette em Paris e ir para qualquer lugar de carro. Voce vai demorar mais de uma hora, por isso o metro (ali é a linha Opera).

Tem também o TRASFER IN e OUT (aeroporto-hotel-aeroporto). Uma sugestão é ver com seu agente de turismo empresas que façam isso. Um táxi muitas vezes é mais caro, mas se você estiver em duas pessoas pode-se dividir o valor. Eu fico sempre com pé atrás em relação a aluguéis de carros, por exemplo, em New York nas ruas tem-se regras para estacionar, estacionamentos super caros. Eu não sou muito a favor de algueis de carro, a não ser que você esteja a trabalho. Metro (e trens) com malas, me estressa. Voce tem que carregar e cuidar. Se voce não esta acustumado com metro e não tem espirito jovem desista. Contrate o serviço de transfer.

Lembre-se que muitos paises tem o TAX FREE. Isso é, voce recebe de volta X valor de compras feitas. Mas isso só vale se voce comprar X euros, dólares e assim por diante. Cada pais tem uma regra de valor. Consulte o agente de viagem para maiores detalhes.

As compras fazem parte da viagem. Lembre-se que na Europa usa-se o Euro, as coisas se tornam mais caras que no Brasil, multiplique o valor por 3 (mesmo o Euro estando por exemplo 2,89) - para facilitar, ja em Londres, multiplique pelo menos por 4... Faça a relação custo/beneficio do que voce esta querendo comprar. Por exemplo, não vale a pena trazer Iphones, pois tem várias taxas para liberação. Também tem um ditado bem interessante: Quem converte não se diverte. Na europa, faça a média de 30 a 35 euros por pessoa por refeição. Se for somente a sanduiches, o valor obviamente diminui, mas isso é com você.

Procure ir a restaurantes tipicos. Em Madri por exemplo, tem um restaurante que é um dos mais antigos do mundo, de 1735 (posto depois o nome, não lembro agora), que fazem um porco.. eu não fui, estava longe do meu hotel e não como carne de porco, mas dizem que vale muito a pena. Coma uma pella (mesmo que não seja a tradicional), sopa de cebola na França, Fish and Chips em Londres, as massas - risotos e pizzas na Italia, os Tapas em Barcelona e assim por diante. Mas vou dizer uma coisa, a melhor massa que comi não foi na Italia, foi em Nice. A melhor pizza foi em Veneza e o melhor sorvete em San Gemeniano. Mas o nhoque de Florença foi excelente.. Alias, tudo em Florença é excelente...

Se você estiver de excursão, significa que você está em grupo. Tambem significa que o guia não é sua propriedade e nem presta serviços somente para você. Tem mais X pessoas para dar assistencia. Não torne-se o mala, o chato da excursão.

Tente ler um pouco sobre onde você está indo. Você encotra em diversos sites na internet e nos guias que voce encontra nas livrarias. Assim voce ve o que fica proximo ao seu hotel, o que tem na cidade, o que fica próximo do que para voce conhecer e não perder tempo.

Não compre os produtos falsificados vendidos nas ruas. Vi bastante em Paris e Veneza. Uma que isso é CRIME e se um policial pegar voce comprando voce paga uma multa de 500 euros. Tem uns vendedores mega chatos em Pisa, perto da torre Eiffel e outros lugares que nao lembro no momento.

Ah, não pechinche em lojas de grife. Grife é grife, o valor é aquele se você não tem condições nem perca seu tempo. Você não está em um mercado público ou naqueles lugares na China que é super comum fazer barganhas.

0 comentários:

Deixe seu comentário: